Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2011

Cada nação possui um espírito

Quando se forma uma nação, nasce também um espírito coletivo, que vai sendo tecido de culturas, contradições, comportamentos, padrões e qualidades diversas.
O Brasil possui sua essência espiritual em uma árvore de alma vermelha, cuja tintura embelezou manto de reis da europa e caciques das américas.
O Brasil possui um corpo tecido de raízes índias, negras, amarelas e brancas.
O Brasil possui uma alma criativa, intuitiva, com sérias tendências de compaixão e cooperatividade.
O Brasil possui uma história de lutas e superação, sofrimentos e vitórias.
O Brasil possui mitos de gigantes adormecidos que se levantam e sustentam o mundo!
Feliz Brasil!!!
Que o seu futuro sonhado e sagrado se faça presente!!!

Vejam um estudo genético sobre os pataxós

Eles podem usar roupas iguais às de outros brasileiros pobres e não falar mais a língua de seus ancestrais, mas os genes dos índios pataxós ainda são, em sua maioria, o de uma gente que pisou o chão da América dezenas de milhares de anos antes de Cabral. Essa é a principal conclusão de um estudo feito por geneticistas paulistas e baianos: a tribo pataxó, que ainda habita a região do Nordeste onde ocorreram os primeiros contatos entre europeus e índios brasileiros, continua a ter DNA majoritariamente indígena.

A nova pesquisa foi apresentada durante o 53. Congresso Brasileiro de Genética, que aconteceu nesta semana em Águas de Lindóia (SP). Uma equipe da USP de Ribeirão Preto e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia analisou cerca de 180 indivíduos da etnia pataxó, distribuídos em seis aldeias da região sul baiana, perto de Porto Seguro. Os pesquisadores estudaram tanto a transmissão de genes pelo lado materno quanto pelo lado paterno dessa população, comparando-a com outros índ…

EU MAIOR - entrevista com Kaká Werá

Imagem

Jogo da Água - Guerreiros Sem Armas 2011

Imagem

Novas visões sobre os índios no Brasil

A historiografia indígena vigente, baseada em documentos escritos pelo homem branco, tende a transmitir abordagem unilateral e incapaz de dar conta do papel exercido pelos índios na configuração social do Brasil Colônia. Uma contribuição para ampliar o horizonte de compreensão da questão está na obra Os indígenas e os processos de conquista dos sertões de Minas Gerais (1767-1813), escrita pelo historiador Adriano Toledo Paiva e recentemente lançada.



Graduado em História pela Universidade Federal de Viçosa, Adriano Toledo cursa doutorado na UFMG, com ênfase na pesquisa dos processos de conquista e governo dos sertões da Capitania de Minas Gerais na segunda metade do século 18. O livro é resultado de dissertação de mestrado e utiliza como estudo de caso a freguesia do Mártir São Manoel dos Sertões do Rio da Pomba e do Peixe dos Índios Cropós e Croatos, localizada em área de grande extensão territorial na atual Zona da Mata.



De acordo com Toledo Paiva, a ideia de que a cultura e as comun…