quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Cinema feito por índios

Existe um cinema novíssimo: os filmes feitos pelos cineastas indígenas. São documentários sobre o cotidiano das aldeias, memórias das comunidades, eventos importantes das tribos. Que vêm recebendo prêmios no Brasil e no exterior. Movimento que, no Brasil, data do fim dos anos 1990 e teve como berço o projeto Vídeo nas aldeias. Mas, no mundo, surgiu a partir do fim dos anos 1970, com trabalhos na Nova Zelândia, Austrália, Canadá, Alasca, México, Bolívia, realizados basicamente pela primeira geração de índios que frequentou a escola, a cidade e a universidade.

Kene Uxi, As voltas do Kene acaba de ganhar menção honrosa no Forumdocbh, importante mostra mineira dedicada ao cinema documental. O diretor do filme é Zezinho Yube, de 27 anos, da comunidade huni kui, território indígena Praia do Carapanã, aldeia Mibayã, no Rio Tarauacá, Acre. Agente agroflorestal, ele já realizou, desde 2005, quatro outros filmes: Novos tempos; Manã Bai, A história do meu pai; Katxa nawa, Festa da fertilidade; Já me transformei em imagem. Em dezembro, começa a edição de A festa da iniciação. Todos com trechos no YouTube.“O prêmio é reconhecimento do nosso trabalho. Temos muitos cineastas e filmes de qualidade. Está crescendo o espaço para realizadores indígenas”, conta Zezinho Yube. O cinema, para ele, é ferramenta de comunicação e expressão, com significado político, que tem proporcionado intercâmbio entre as aldeias. “Estamos fazendo trabalho de revitalização cultural”, afirma, satisfeito em ver revalorizadas festas e pinturas corporais, além do orgulho de ser índio, entre outras coisas. Sua obra é toda documental e já foi exibida em Nova York, no Museu do Índio, e em Washington (EUA).

Zezinho conta que, às vezes, pensa em realização de obra de ficção baseada na história de seu povo. Está trabalhando com o irmão em projeto de criação de ponto de cultura, visando à aquisição de equipamentos. Desafio posto aos cineastas, para o diretor, “é resistir, com a nossa cultura, a nossa língua, do jeito que somos, a um entorno que quer nos dominar, nos manipular”, explica o fã de Glauber Rocha.

Missões Ariel Ortega tem 24 anos, é guarani, nasceu em Missiones (Argentina). Mora em Jacuí (RS), é professor bilíngue, tem trabalho com jovens. Já dirigiu o curta Nós e a cidade e um média-metragem premiado: Duas aldeias, uma caminhada. Está realizando mais dois filmes, um sobre a espiritualidade (que, observa, é característica de seu povo) e outro sobre as missões jesuítas, onde existe uma grande aldeia que, além do Brasil, chegava ao Paraguai e à Argentina.

“Os filmes trazem nosso ponto de vista, a sabedoria dos guaranis e fortalecem a nossa cultura”, observa Ariel. Conta que, desde criança, está acostumado a ver brancos filmarem índios – “é sempre tudo feito rápido”. Avisa que as crianças precisam ver os filmes dos cineastas indígenas até para não chegarem à aldeia imaginando que se vive hoje como há 200 anos. Sonhos? “Um grande filme sobre a criação do mundo segundo os guaranis”, conta. Superprodução? “Sim”, responde, contando que vários, nas aldeias, têm jeito de ator. A obra teria narração do avô Dionísio Duarte, até hoje, aos 82 anos, considerado o cacique geral dos Mbya.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Cultura Indígena,Tradição e Globalização

Quando se fala em cultura indígena, ainda persiste no imaginário do brasileiro a velha idéia do homem da mata, com sua nudez e práticas exóticas. A sua tradição se relaciona com essa crua e nua imagem, ora romantizada, ora destituida de valores em diversos níveis. Além disso, a palavra tradição está associada á conservação, á algo parado no tempo e no espaço.
Aqui, quero relacionar a palavra tradição á conservação de valores, de éticas e de crenças que fundam e sustentam uma cultura, algo que vai além dos costumes folclorizados ou de hábitos ultrapassados.Neste sentido, assim, com sua complexidade que liga desde cosmovisões, símbolos de afirmações, códigos e padrões de conduta.
Creio que uma tradição cultural não muda, no sentido de perder-se para dar lugar á outra coisa. mas evolui, por um sistema de adaptação e síntese com outras relações culturais, ecológicas e sociais. E foi isso que aconteceu com a cultura indígena; perseverou com sua essẽncia tradicional e suportou avanços, intromissões, seduções, superposições, de outras culturas, notadamente a cultura européia.
E quando se observa a cultura européia, ela representa atualmente um centro globalizado, que busca interagir com uma diversidade complexa de povos, principalmente por causa de negócios e mercado. Da mesma forma os Estados Unidos, principalmente pelas motivações capitalistas, globaliza-se em busca de expansão.
Mas o jeito da Europa torna-a mais próxima ás culturas indígenas,em seus valores trdicionais, porque esse velho continente está na ponta de temas como reconhecimento da interdependência, desenvolvimento de uma visão sistêmica da vida, desenvolvimento sustentável e responsabilidade social. embora sejam temas contemporãneos emergentes, seus princípios se relacionam com a essencialidade de modos de pensamento de etnias milenares do Brasil, embora o Brasil ainda não o conheça com profundidade.
Isso faz com que hoje, em termos de padrões sociais ecologicamente corretos, as tradições mais antigas desta terra possuem em si, uma estrutura cultural também globalizada.

Postagem em destaque

BIOGRAFIA DE KAKÁ WERÁ

  Educador. Terapeuta. Empreendedor Social.Ambientalista. Escritor Kaká Werá é psicoterapeuta de formação, de abordagem holística e tra...